Fisacta :: Tel: (11) 3455-2845 / Cel: 8126-4912 / 8725-9962 :: E-mail: fisacta@fisacta.com.br

 
 
 
 

Entrevista: Entrevista com o médico e escritor gaúcho, Moacyr

 
Descrição
Descendente de judeus, gaúcho, médico, autor de mais de 67 obras literárias e sétimo ocupante da cadeira de número 31 da Academia de Letras, Moacyr Jayme Scliar nasceu em Porto Alegre/RS no dia 23 de março de 1937. Formado em 1962 pela UFRG em Medicina, especializou-se como médico sanitarista.

De lá pra cá, Moacyr Scliar percorreu uma trajetória enriquecida por viagens e cursos como o de pós-graduação em Medicina, no estado de Israel e doutorado em Ciências pela Escola Nacional de Saúde Pública. Tornou-se, nos anos de 1993 e 1997, professor visitante na Universidade do Texas, em Austin e no Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros da Brown University, nos EUA.

O médico e escritor concedeu uma entrevista falando sobre o que o motivou a escrever, seus tempos de faculdade, sua visão como sanitarista e outras curiosidades. Confira:

Entrevistador: O que fez você escolher a área médica?

Moacyr: Desde criança eu me impressionava muito com doenças. Eu não tinha medo de ficar doente, mas quando isso acontecia com meus pais e irmãos, eu entrava em pânico… Comecei a ler sobre medicina, a conversar com médicos e aí optei pela profissão.

Entrevistador: Quais os avanços que a medicina estava obtendo na época em que você era universitário, nos chamados, “Anos Dourados”?

Moacyr: Foi uma época de grandes avanços: novos antibióticos, derivados da cortisona, cirurgia cardíaca.

Entrevistador: Após a formatura, foi difícil conseguir emprego na área da saúde?

Moacyr: Não. Havia concursos públicos, e eu passei em todos que fiz.

Entrevistador: Ao longo de sua carreira como médico, chegou a se especializar como médico sanitarista, formar-se na pós-graduação em medicina em Israel e, posteriormente, tornar-se doutor em Ciências pela ENSP. O que mais você traz como bagagem desses vários anos dedicados à medicina?

Moacyr: A medicina me deu muitas coisas: um conhecimento da condição humana, da realidade social (graças à saúde pública) o exercício do magistério, o raciocínio científico e até a capacidade de escrever de forma sintética e objetiva.

Entrevistador: Você como médico especialista em saúde pública, depara-se com muita insatisfação trazida por este setor?

Moacyr: Sim, nesta área as necessidades são grandes e os recursos escassos. Mas o Brasil avançou muito na saúde pública.

Entrevistador: O livro, “Histórias de um Médico em Formação”, foi sua primeira obra lançada em 1962. Como surgiu a vontade de escrever?

Moacyr: Escrevo desde criança, e as vivências da Faculdade de Medicina me deram muitos temas, sobretudo, para contos.

Entrevistador: Já são mais de 67 obras literárias suas espalhadas por todo o País, entre elas crônicas, ensaios e até mesmo literatura infantil. Nunca pensou, em algum momento da vida, cursar algo relacionado a letras ou comunicação social?

Moacyr: Não. Eu queria ser médico e queria escrever.

Entrevistador: Atualmente, você faz parte da Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de número 31. Como foi a sua posse?

Moacyr: Fui eleito graças ao entusiasmo dos gaúchos, que queriam um representante na ABL. A posse foi solene, mas gratificante, porque me deu uma oportunidade para homenagear minha gente, meu Estado, a literatura gaúcha.

Entrevistador: Você foi patrono da XX Feira do Livro de Porto Alegre, no ano de 2007, e está sempre envolvido com palestras em vários estados, além de ser colaborador do jornal Folha de São Paulo e Zero Hora (Porto Alegre/RS). Como é sua rotina e como concilia o fato de ser escritor e médico?

Moacyr: Atualmente trabalho menos como médico; faço parte de grupos-tarefa na Secretaria da Saúde e no Ministério, e isto dá para conciliar bem com a atividade literária.

Entrevistador: Para encerrar, o que você mudaria dentro dos dois ramos que segue: o da saúde e o da comunicação?

Moacyr: Na saúde, eu buscaria obter maior participação da comunidade na definição dos rumos a seguir. Na comunicação, acho que estamos muito bem!
 
Leia Também
Entrevista com o médico e escritor gaúcho, Moacyr
Descendente de judeus, gaúcho, médico, autor de mais de 67 obras liter...
   
 
 
Indique esta entrevista
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome (para):
E-mail(para):
Comentários:
Voltar
 
    Depoimentos
 Susana Ghisserman
Eu faço tratamento em casa há muito tempo e melhorei muito o grau de e...

    Entrevista
 Entrevista com o médico e escritor gaúcho, Moacyr
Descendente de judeus, gaúcho, médico, autor de mais de 67 obras liter...

    Empresarial
 Fisacta Empresarial
Melhor produtividade, melhor qualidade de vida, melhor desempenho...